sábado, junho 20, 2009

Azul

Folhas às vezes são folhas.
Estrelas apenas estrelas.
E sabão em bolhas... sabão em bolhas.

Em certo dias não nos cabem metáforas.
Ou mistificações. Ou simbolismos.
Há dias em que a vida é ela mesma,
sem malabarismos, sem signos.

Nesses dias, os olhos são apenas olhos,
e não janelas da alma.
O sono apenas sonho, e não
um mar ondeante de calma.
E o sexo é o sexo, simplesmente
e não o amor em estado emergente.

E talvez pelo fato de nesses dias
o mundo se mostar aos nossos olhos
com sua luz natural, sem alegorias,
sem zonas de luz e nada de mais,
talvez por isso essa paz...

Essa não-obrigação de ser poeta
(só por hoje, só por enquanto)
e me distrair com cada detalhe
que se esconde em cada canto.

A beleza das arestas.
Das formas agudas e cortantes.
Das palavras sem sua carga significante.

Às vezes faz bem um dia de realidade alienante.

3 comentários:

"Monica Mamede" disse...

Gostei.


Beijo grande

Sandra Regina de Souza disse...

Simplesmente lindo, Moa!! Simples assim.. como vc... Bjo

Ariane Rodrigues disse...

É,tudo depende da nossa lente...
Às vezes, elas embaçam.

Me lembrou uma frase da Adélia Prado:

"às vezes, olho uma pedra e o que vejo é uma pedra mesmo."

Abraço!