segunda-feira, junho 29, 2009

festa!

Olá a todos!
Continuamos as festividades de aniversário do Blog de Sete com uma semana de convidados muito especial!
Semana de convidados temática: FESTA!
Minha convidada é a Hanny do The human who sold the world, expert em contos fantásticos - em todos os sentidos. Enjoy ;)
Dry Martini
Natalí Serrazine odiava palhaços. Tinha complexos de Billy, achando que eles eram todo o mal existente do mundo. A cara borrada, as roupas brilhantes, a risada demoníaca. O nariz era vermelho sangue. Sabia da existência maligna deles, mas só comprovou depois de assistir Palhaço Assassino. Ou seria Um dia de terror? Odiava ir à festas infantis de 1 ano com tema de palhaço. Os humanos diziam que trazia sorte. Para ela era tortura milenar.
Tudo piorou quando, na festa de fim de ano, seu chefe montou um circo. O insuportável globo da morte, os magrelos trapezistas, os ursos raquíticos, os pierrôs amaldiçoados, as bailarinas anoréxicas. E a presença do temor maior: o palhaço coisa ruim.
Ele pipoca igual algodão-doce na chuva, molhando tudo, grudando em todos. Com calças de bolinhas, cabelo de boneca, pele branca. Natalí queria se transformar em mulher bomba e matar o carequinha.
O chegou chegou tá na hora da alegria foi engolido a seco. Ela pediu um Dry Martini.
A buzina agonizante estava na mão da coisa ruim. Ele pulava igual canguru com hemorróidas. O estômago de Natalí embrulhou.
“No circo tem palhaço, tem tem todo dia. No circo tem palhaço tem tem todo dia”.
Passou um ovo de codorna à sua frente. Deslizou garganta abaixo. A coisa do mal estava na piscina de bolinhas. Seu chefe estava com Dorinha na cama elástica.
Natalí tomou mais um Dry Martini. Foi parar na sua mão um garfo.
O horror demoníaco ainda estava entre as bolas coloridas.
“Desfrute cada dia!” era o que seu pensamento latejava. Como curtir alguma coisa com um ser maléfico à solta? Ele soltou uma gargalhada do inferno de Dante.
Mais um ovo de codorna e um Dry Martini. Natalí passou pela algazarra circense, em direção à piscina de bolinhas. O eco da risada ainda zumbia. Levantou a mão e cravou o garfo no nariz do palhaço. A ira a possuiu.
Um segundo e todos pararam. Dois segundos e a gargalhada foi geral.
O garfo era de plástico.

3 comentários:

Alex Pinheiro disse...

Caraca, um Dry Martini,,, olha só MariMorena #coisalouca, rs

Bem legal isso,,, escrever com tema é fooooda! rs

Bjs, abraços e pão francês!

José Rosa (ZeRo S/A) disse...

Psicopatia...rs..rs..rs..rs..rs..

Mary disse...

Hahaha, maravilha, Hanny! Adorei! Valeu pela participação em nossa festa! :) :*

Beijos, Czá!