domingo, outubro 11, 2009

Fênix

Aquela foto tua,
os bilhetes que você me deixou
- inclusive aquele último, o de despedida,
os poemas que eu escrevi
pensando em você...

Eu queimei tudo

Botei fogo
em cada resquício
de nosso amor

Guardo as cinzas
até hoje
esperando que ressurja
fênix

4 comentários:

Elaine Lemos disse...

Como a fé aqui é pouca, não queimo nada... hehehe...

Belo poema!

Beijo.

P.S.: Pena que não poderá vir no sábado... :(

moacircaetano disse...

guardando as cinzas em urna dourada...

Aline disse...

liberte as cinzas, meu caro.


belo.


=*

Fernanda Leturiondo disse...

é a memória não tem fogo que destrua!

um bjo