quinta-feira, junho 24, 2010


Tão longe de lugar nenhum.

Finalmente um destino para meus dias, e eu vou chegar lá.
Escolher as perguntas há de ser a verdadeira liberdade.
Escolher a escôlha, na presença de todas as minhas batalhas.
E quando eu estiver lá, a dor vai ser minha e espero saber afinal.
Abrir uma garrafa e brindar a você; esperança e impossível.
Não há ninguém me esperando, é assim que tem de ser.
Tão longe de lugar algum.
Um sonho antigo, e o vento nas casuarinas.


2 comentários:

moacircaetano disse...

Solidão...
acompanhado, mas apenas de si mesmo...
solidão...

Sandra Regina de Souza disse...

Chega a sangrar de tão lindo!
"é assim que tem de ser"!!!!
bj