segunda-feira, junho 28, 2010

verde novo

eu quero sair deste empate
nem que isso me mate
no peito
meu coração é esfera
que eu ajeito no pé
e até deito na grama
uma cama pro sonho de toda essa gente
que grita, que vibra, que sente
cada gol, cada vitória ou derrota
a gente dribla a rotina até não ter
mais volta.

3 comentários:

moacircaetano disse...

E hoje não teve volta, continuamos na África do sul!!!!!!!

J.F. de Souza disse...

bola pro mato... =)

Sandra Regina de Souza disse...

Sempre uma jogada surpreendente sai dos dos versos dessa moça!!! Golaço!!!!!!! bj