terça-feira, fevereiro 12, 2008

Meu vício de vinícius

Além de apetecerem-me alguns vícios,
tal versos de poema ou canção,
há mais afinidades com vinícius
que aplicado buscou meu coração.

Ele sabia a ousadia do ofício,
mas desafio seduz a emoção.
Por isso desfiar desde o início
um soneto sobre o que for paixão:

incrível maremoto, que é capaz
de evaporar sem talvez nem vir chuva.
O que é de bom que traz? Algum mal faz?

Por certo quando vem a vista turva,
e ao peito entra a batida de uma bossa
num verso a comparar. Mas sem que possa.

5 comentários:

moacircaetano disse...

Uau!
Tudo certinho, metrificado e com o ritmo e a cara do grande Vinícius. Um de meus mestres.
Parabéns, Jardim!

alex pinheiro disse...

Se quer saber, meus tímpanos não aguçam essa música, porém sua escrita deu dessas vontades de ouvir... vou tentar, rs

Abraços e musicais invenções!

Múcio L Góes disse...

Vinicius é meu pai, poeta de silêncios. 9.1, dois avc´s...

já o de Moraes, esse escultor de sonetos, que Deus, esperto, chamou pra si.

soneto é difícil, Jardim domina.

Lindo.

Aline disse...

Fiquei emocionada.

Lindo soneto, Garden.

:*

J.F. de Souza disse...

MAGNÍFICO! Sem dúvida!

1[]!