segunda-feira, setembro 06, 2010

Marcas

O que são essas marcas em mim?

Tuas unhas sem cuidado?
Teus arrancos e solavancos?
Ou a lembrança do quanto
temos nos afastado?

E apenas nos restou o suor?
E agora o que há de melhor
são os momentos de tesão
onde podemos lustrar nossa brutalidade
com requintes de ilusão?

O que são essas marcas em mim?
Restos de uma noite que não termina
ou o anúncio impiedoso do fim?

2 comentários:

Sandra Regina de Souza disse...

Marcas indeléveis!
Mais um poema marcante!
bj

J.F. de Souza disse...

cicatrizes da memória

nos seres mais sensíveis,
a dor persiste