sábado, junho 17, 2006

Arco-íris

Sete vezes na vida nasci
E na primeira não sabia bem como fazer
Tanta sede de ser e tão pouco saber
Então me tornei um bebê


Sete vezes na vida nasci
E na segunda saí de casa
Tinha quinze, e não cabia em mim
Enfiei tudo numa mala e criei asas


Sete vezes na vida nasci
E na terceira, aos vinte me casei
Trono, torre, coroa e cetro
Enfim tornava-me rei


Sete vezes na vida nasci
E na quarta vez, universidade
Tudo na vida se decide (incrível!)
Em tão pouca, tão nenhuma idade


Sete vezes na vidas nasci
E na quinta quis brincar de empresário
Taxas, impostos, prazos, contratos
Eta, mundo extraordinário


Sete vezes na vida nasci
E na sexta, o fim de um conto de fadas
Tornou-se em abóbora a carruagem
E o pra sempre terminou-se em nada


Sete vezes na vida nasci
E nessa última, ainda estou em trabalho de parto
Tomara que não morra de novo
Esperança (inútil?) de estar preparado!

11 comentários:

Leandro Jardim disse...

Muito bonito, rapaz!

Também passei por várias vidas dessas e da maioria morri... como você me vejo em novo trabalho de parto, vou ver se consigo nascer e sorrir... ao invés do tradicional choro.

(inclusive a vida de empresário da qual morri prematuramente... hehe)

abs
Leandro

Clarice disse...

Poética biografia de vida. E na última, o preparo para renascer indefinidamente.
Beijos meus

pedro pan disse...

, a vida é completa de cores, dores. nascer[viver] & morrer. quando se morre é necessário saber renascer...

|abraços meus|

Nanna disse...

E a semana termina com a poesia renascida... Aberta por sete chaves encantadas...

Beijos pra vc!
:))

Aline disse...

Belas as tuas palavras.
:*

Múcio Góes disse...

cada dia renascemos para um novo começo, e, cada ontem, é um tijolinho que não se destrói.

Belo poema de vida.

[]´s

Mary disse...

Lindo, Moacir!

A semana terminou encantada com teu arco-íris.

Belo. ;*

vanessa disse...

Excelente! Fases da vida que começam, engradecem, acabam abruptamente e talvez por isso deixem tanta saudade... E quando menos esperamos despertam, renascem, fazem-nos errar tudo outra vez, mas de um jeito que parece diferente... Parabéns! O conteúdo brilhou!

rascunhomusical disse...

Olá Moacir, essa idéia foi genial.
Mas acho que são bem mais que sete vidas, porque todas elas tem uma única noite em separação. Daí é so fazer as contas. Quantas vezes já nasceu? E morreu?
Eu te indiquei um site, você ja deve ter recebido. Vá até lá e leia Retrato, tem muito a ver com o que você escreveu. Coincidência, ou talvez convivência.

Lou Oliveira disse...

Lindo.. ali, aqui, em qualquer lugar... vc é sempre vc! amooo!!

Ady Cavalcante disse...

O sete é emblemático, sim. Mas o número que cabe nos teus renascimentos é infinito!!!!! Você se recria, todo dia, através dessa tua sagrada poesia!!! Amo você, meu amigo!