quinta-feira, junho 29, 2006

poesia bateu as
minhas portas.
ardendo a porta
, bateu com ela em meu
rosto.
a poesia bateu as minhas
asas
& voou sem dó, nem piedade.

8 comentários:

Nanna disse...

Poesia faceira, essa... :|

Beijinhos pra vc! :))

Leandro Jardim disse...

E nem precisava de dó mesmo, muito menos piedade, e sim orgulho, pelo belo mergulho no ar.

abs
do Jardim

Valéria disse...

bem que vi uma poesia avoando por aqui... batia asas em descompasso...mas voava lindo...
poesia não precisa rota de vôo... precisa bater asas...
beijo beijo

da gaveta disse...

a poesia não tem dó nem piedade

Aline disse...

Poesia que surpreende e encanta.

:**

Múcio Góes disse...

a poesia
bateu
casas
em
minha
porta

[]´s

Mary disse...

Belo vôo da poesia de Pedro... ;)

Beijos!

moacircaetano disse...

sem dó nem pena...