quarta-feira, junho 21, 2006

O Encontro

ela ia.
caminho de pedras.
chuvas ácidas.
pão dormido.

ele vinha.
ruas asfaltadas.
mar-de-rosas.
champagne e caviar.

ela parou.
ele parou.

[encruzilhada-de-olhares]

as pedras arremataram o asfalto.
as águas tornaram-se leito.
as comidas... não tinham mais importância.
e o céu e a terra
confraternizaram,
e aclamaram
o encontro daquelas almas...

7 comentários:

Leandro Jardim disse...

Um história de amor,
Ou seria de paixão?
Um momento preso no ar
Os outros de lado ao cão

Um poema-conto, muito bem contado!
Adorei!

bjssss

Múcio Góes disse...

encontro
de
encantos

peito
que
rufa

olhos
que
marejam

bocas que se tocam,
mãos que se beijam...


Você, aqui, assim...

Loviu! :*

Valéria disse...

e que se faça o amor de onde o amor se faz
beijo

pedro pan disse...

, almas se encontram. se cruzam, se reencontram em olhares paralisados ou não...

|abraços meus|

moacir caetano disse...

o amor não tem hora, não tem lugar...
e nasce entre pedras ou entre flores...
belíssima poesia, nanna!

Aline disse...

Lindo.

Melhor encontro não poderia existir.
;)

:*

Mary disse...

Os olhares mostram as almas...

Belo, Nanna!

Beijos.