segunda-feira, junho 25, 2007

.sinto

Sou cheia de espaços vazios
Espaços repletos de nada
O eco ensurdece.
Disseram que hoje haverá festa
Que terá luzes
E que as estrelas brilhariam.
Não enxergo mais
E nem sentirei o frio da noite.
Entorpecer é o verbo
E a poesia o néctar.
Sempre existirá beleza na dor
E feiúra no amor
Banalizaram o amor!

Bom é apreciar o nada.

2 comentários:

Múcio Góes disse...

vc é mais, é luz, é cor, é cais. vc é tão, é sã, é linda como poucos são.

lov u so.

:*

moacircaetano, todo prosa! disse...

Bom mesmo é apreciar o que emana de ti!
Amo!