sábado, junho 23, 2007

Tá, eu sei que era pra homenagear um alguém... mas me é impossível escolher um dentre tantos!
Me é impossível desvendar-me em um autor, sendo que tantos me fizeram o que sou.
Por isso, (me) derramarei (-os em) pequenas gotas.
São o suficiente, já que todos eles são vinhos de belíssima safra, e estão disponíveis à vontade para quem deseje se embriagar.

*******************************************
Penetra surdamente no reino das palavras.
Lé estão os poemas que esperam ser escritos.
(...)
Chega mais perto e contempla as palavras.
Cada uma
tem mil faces secretas sob a face neutra
e te pergunta, sem interesse pela resposta,
pobre ou terrível, que lhe deres:
Trouxeste a chave?

-Drummond
******************************************
Amo-te como um bicho, simplesmente,
de um amor sem mistério e sem virtude
com um desejo maciço e permanente.

E de te amar assim muito e amiúde
é que um dia em teu corpo de repente
hei de morrer de amar mais do que pude.

-Vinícius
*******************************************
Porque é muito mais espessa
a vida que se desdobra
em mais vida,
como uma fruta
é mais espessa
que sua flor;
como a árvore
é mais espessa
que sua semente;
como a flor
é mais espessa
que sua árvore,
etc. etc.

-João Cabral
*******************************************
Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer nada.
À parte disso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.

-Pessoa
*******************************************
Você pode me empurrar pro precipício
não me importo com isso
eu adoro voar.

-Bruna Lombardi
*******************************************
Eu canto poque o instante existe
e minha vida está completa.
Não sou alegre nem triste
sou poeta.

-Cecília
*******************************************

Mas o poema que mais me marcou foi o Balada do Esplanada, de Oswald de Andrade.
Aliás, a descoberta da escola modernista no segundo grau me foi importantíssima, pois me mostrou que a poesia não é hermética nem excludente, mas sim uma tradução da nossa vida e dos nossos sentimentos.
Desde criança amei poesia, mas foi essa poesia que me deu, pela primeira vez, uma vontade danada de escrever:

http://www.geocities.com/SoHo/Nook/4880/esplanada.html

3 comentários:

Juliana Pestana disse...

Moacir... Moacir... quanta delicadeza derramada em tão distintos versos.
Apaixonadamente tenho esses versos de Cecília comigo... e Pessoa sussurra no meu ouvido.

Adorei!

Bjãoooooossss meus. rs

Mary disse...

Adorei as gotas!

Adoro esse verso do Fernando Pessoa!
E Vinícius! E a Bruna! E Cecília!

Realmente é difícil escolher só um! :)

Bjuss ;***

Mary disse...

Ah, amei o mini-poema, viu?! ;)