sábado, junho 02, 2007

Oração

Senhor,
posso ser criança novamente?
Posso,

pelo resto da minha vida,
ser só um pinguinho de gente?

Pra sempre estudar
entre a terceira e a quarta série,
e achar que é sério
quando minha mãe ameaça me bater?
Posso ter
de novo aqueles brinquedos meio sem jeito?
Uns velhos, outros gastos
e uns que já vieram com defeito...
(Eram mais baratos,
meu pai não tinha muito dinheiro...)
Posso, Senhor,
aprender Ciências
ao invés de física e química?
Posso ir jogar bete,
me entupir de grapete
e brincar de mímica?
Posso comer um montão de chocolate
sem me preocupar com espinhas,
triglicérides e colesterol?
Posso sair de casa

sem ter que fazer nada
e ficar a tarde inteira sob o sol?
Posso, Senhor, de novo,
ter piolho?
(só um pouquinho!)
Só pra ver a paciência
de minha mãe me catando as lêndeas,
minha cabeça em seu colinho.
Posso ter de novo meu avôzinho
me ensinando a ler e escrever?
Me ensinando novamente
a fazer conta e a ser gente,
a ser contente e a viver!
Ele sabe como me fazer
feliz, feliz, feliz:
papael, caneta, quadro e giz,
bolacha mabel e desenho animado,
balanço na rede,
café com leite e abraço apertado,
gibi, ludo e conto de fada,
e, à noitinha, gemada.

...

Senhor, me despeço,
termino minha prece...
vou me deitar e dormir.
E amanhã já sabe:
nada de realidade!
Quero acordar guri...

6 comentários:

Marla de Queiroz disse...

Ô coisa mais bonitinha...
Fiquei emocionada que só vendo,
minha emília com a roupinha rasgada...
Que eu queria a mesma coisa,
e, com vc eu aprendi, como se pede.
Vai que acontece.

Um beijo tão bom, meu guri.

Keila Sgobi disse...

Ai, que eu amei a idéia dos 7?
Quando eu conseguir para minha poesia viver, escreverei!
bjs e saudades!

Múcio Góes disse...

pow, sei nao, visse? nem cabe palavrao, posto que é reza, mas que merece, ah merece. perfeito.

[]´s

Aline Borges disse...

Amém!

:*

Jefferson de Souza disse...

Já cansei de fazer essa prece...
E não só eu, disso eu tenho certeza!

Ao meu ver, Ele deve estar cansado de escutá-las...

Mary disse...

Lindo escrito, Moa!

Saudade desse tempo... longe dessa realidade.

;)

Mil beijosss