segunda-feira, dezembro 24, 2007

clara

sou jovem
ainda não me bateram
com a porta na cara
tenho poucas cicatrizes
e quase nenhuma marca de navalha

eu sou jovem
sorrio bonito pra vida
e ela não consegue me dizer não,
me compra um sorvete
e me leva pela mão

eu sou jovem
e você pode chamar de inocência
bobagem, tolice, (doçura?) ou insensatez
tudo bem
eu ainda tenho cartuchos
pra me desapontar outra vez

Sou jovem
e se você lamber as pontas dos meus dedos
vai saber
que gosto têm os meus sonhos

eu sou jovem
e bem sei que de todo mundo
a tristeza vem cobrar sua cota.
mas a minha eu não pago.

pelo menos não antes da copa.

----
ei, gente! feliz natal! :D

6 comentários:

Múcio L Góes disse...

\o/

vlw!

procê tão bem!

bjo...

Duda disse...

gostei do poema!
às vezes sinto uma falta enorme de poesias que não sejam "adultas".

que se dane a maturidade! (jovenmente falando)
beijos

.jota disse...

Feliz natal, feliz natal. Claudia genial.

Leandro Jardim disse...

hehe, ótimo!

(l' excessive) disse...

Querida!
Espero que 2008 você continue nos brindando com sua linda poesia.
Um abraço afetuoso de sua leitora assídua

moacircaetano disse...

Aaaaiiiiiii!!!!!!!!!!!
Me deu uma vontade aguda de ser jovem de novo...
De poder olhar o mundo como se pedra não fosse...
De ser folha em branco e não rascunho indesejado...
Doeu!

Belo de doer!