sábado, julho 05, 2008

Update

Hoje em dia é comum
viver na selva
e receber uma salva
de palmas
quando não se tem alma.

Hoje em dia é comum
levar uma sova,
tomar uma chuva
de porrada
e ficar quietinho da silva.

Hoje em dia é comum,
e niguém se salva,
seja Sávio ou Sílvia,
do silvo agudo
dos guardas do absurdo.

Hoje em dia é comum
ser o que não se é,
seja lá como for.
Hoje em dia falta amor.
Então compramos no atacado
e matamos o entregador.

4 comentários:

Anônimo disse...

Mas sobra amor e um monte de coisas boas nesse blog legal : )
Mais uma ótima poesia com a marca do Sr. Moacir Caetano.
Marcia

Sandra Regina de Souza disse...

Moacir, meu amado amigo!!
Tá difícil até receber o entrega-dor!
Beijos otimistas... rs..

Múcio L Góes disse...

um crime perfeito.

poema idem!


um Moacir Caetano sempre cai bem.

[]´s

Mary disse...

eu quero um Moacir Caetano pra mim também! ;)

adorei!