terça-feira, março 23, 2010

História de um pescador

Tinha saído pra pescar
mas não levou arpão

anzol isca caniço
molinete linha nem rede

Primeiro molhou os pés
depois decidiu mergulhar
(a decepção)

Naquele dia
Omar estava mais para ostra
do que para peixe

8 comentários:

Fouad Talal disse...

Acabou colhendo pérolas...
(Do jeito que eu gosto)

A propósito... o layout do blog está muito bonito! Parabéns as cabeças...

J.F. de Souza disse...

ainda de ostras não flutuem, consegue passar uma certa leveza.

ficou lindo, o poema. :)

:*

Í.ta** disse...

adorei o jogo de palavras!

J. disse...

Adorei o poema e a brincadeira. E ser ostra é tão bom e necessário quanto ser peixe. Quem sabe Omar não cria pérolas e depois se transforma em peixe, em homem, em "sereio"? =)
Beijos.

moacircaetano disse...

Ser hora ostra, ora peixe, ora mar...
especialidade de poetas!
Muito bom, Elaine! E lemos! Com prazer!

moacircaetano disse...

Ser hora ostra, ora peixe, ora mar...
especialidade de poetas!
Muito bom, Elaine! E lemos! Com prazer!

D i c a disse...

Boa sacada.
Bonito!

Renata de Aragão Lopes disse...

: )