sexta-feira, março 26, 2010

Para Raimundo Neto

e do que era apenas
caminhar pela casa
descalça
sacudindo os cabelos

agora
o nunca: minha voz
rompendo teu silêncio.

as palavras
como um rasgo na garganta.

- me salva.

mas, do quê, Lubi?

- da loucura.

4 comentários:

J.F. de Souza disse...

oraora...

Renata de Aragão Lopes disse...

Salva-me também!

J. disse...

Eu não quero ser salva da loucura! Estranho é ser normal!
Beijos.

moacircaetano disse...

muito, muito bom!