sexta-feira, março 19, 2010

não quero precisar
poesia.

não posso.

mas quando a loucura
é o próximo passo
e sequer há chuva
para dançarmos
rumba
pelo asfalto
uma monotonia essa vida
os teus longos braços
-palavras
me alcançam
as costas
tocando coçando insistindo

então qualquer negação
de poesia, nesse instante

impossibilidade.

3 comentários:

Nydia Bonetti disse...

Passo por um momento assim. Belo poema. Abraços.

J.F. de Souza disse...

Poesia é sempre bem-vinda pra mim. Ainda mais em momentos assim. :)

:*

moacircaetano disse...

e eu bem queria
que ela me inundasse...

mas fico aqui, nesse impasse...