quarta-feira, maio 05, 2010

Vísceras Viscerais

Me insulta

Chuta

Quebre meus ossos

Veja sangrar meu nariz

Engula o diz que diz

E berra insana no portão

Soque, amasse, arranhe

Pode chamar sua gangue

Que atirem insanos

Seus meros canhões

Que abram feridas

Tal qual roupa puída

Costure os meus pulmões

Vísceras, viscerais

Deteriore meu crânio

Amarre os cortes num pano

E não se acanhe com meus ais

Martele, atire, fere minha febre

E os meus ideais

Carnavalize

Use o ardor dos bacanais

Coma meus olhos

Em frígido ódio

Só não me diga nunca mais.

2 comentários:

J.F. de Souza disse...

"Use o ardor dos bacanais
(...)
Só não me diga nunca mais"

1... Isso ficou legal!

1[]!

moacircaetano disse...

Ha!
Ótimo!