quarta-feira, novembro 14, 2007

Meu ser concentra as mais variadas sensações, as quais descrevem perfeitamente os primeiros capítulos dos meus próximos trinta anos. Algumas remanescentes conhecidas, outras surpreendemente recém-nascidas...
Aquelas fazem referência à evolução da minha existência até então. São sentimentos de orgulho ao certificar-me da minha personalidade. Sentimentos ambíguos de conquista. Sentimentos de pesar pelos sonhos frustrados. Sentimentos adolescentes há muito escondidos. Sentimentos de dor esquecidos. Sentimentos nostálgicos das paixões vivenciadas. São todos sentimentos reciclados, mas incontestáveis, e inseparavelmente ligados a mim...
Estas, ah! estas sim. Reparadoras bem-vindas, estas sensações trazem consigo uma estranha calmaria sentimental. Pressupõem o sossego velado. Corroboram as minhas expectativas. Encorajam-me a redigir o desfecho da minha personagem original. E entro em cena repleta de teoria, inteiramente desprovida de munição emocional. Estas e aquelas, compondo a simetria do meu ato principal...
(maio, 2005)

Um comentário:

Ch disse...

Belo texto...
Pareceu-me aquelas análises que fazemos assim, de rompante, enquanto a vida rotineira passa.
Desses pensamentos, germinam alguns atos futuros que, às vezes, perdem a conexão com a origem de tudo [aquela análise toda], mas que possuem vital importância no direcionamento que tomamos.
É que a memória não fenece por completo ;]
Abraços, Nanna.
Carlos