sexta-feira, novembro 09, 2007

Não limpe os pés antes de entrar

eu vi num blog por aí:
"seja bem-vindo, mas limpe os pés antes de entrar"...


Não limpe os pés antes de entrar

Entre com a lama, a grama, a poeira
e a areia do mar.

Entre com o barulho das ruas, do samba
e dos versos do poeta de mesa de bar.

Entre com o cheiro do asfalto, do ônibus lotado
e do pastel de carne com suco de maracujá.

A porta está aberta,
pode entrar:
Eu quero minha alma suja
e feliz.

7 comentários:

Leandro Jardim disse...

Excelente!
Ouça...
que estou aplaudindo de pé!

beiJardins

Jefferson de Souza disse...

Agora
Quero minh'alma suja
Depois eu lavo...

E aqui estou eu, puxando os aplausos do público junto co Jarrrdim!

[Clap, clap, clap, clap, clap, clap, clap, clap, clap, clap, clap...]

Ch disse...

O poeta é terreno livre para o poeta sonhar, libertar-se de possíveis amarras [convenções, etc], despojar-se de tudo o quanto é artificial.
E falar do que lhe brota, descalço ou não, tisnado ou não.
Abraços do
Carlos

Sofia Loureiro dos Santos disse...

Gostei muito.

A czarina das quinquilharias disse...

que poesia tem que ser tudo, menos esterilizada :)

elcio disse...

pode-se entrar com o cheiro de oleo diesel das ruas da boa e velha samapa tbem?

Múcio L Góes disse...

surjo com meus pés na tua poesia límpida, e saio com minha velha alma cansada de guerra, suja.


lov u.

:*