segunda-feira, janeiro 04, 2010

... penúltimos presentes!

de: Aline Sarmanho (http://blognocaminho.blogspot.com)
para: Eduardo Trindade (http://www.edutrindade.com)

As valsas que vivi

E fui dançar as valsas

Disseram-me que eram valsas únicas, lúdicas.

Que eu veria o circo e de sorrisos ganharia o dia.

Sim, eram valsas!

Daquelas de melodias trabalhadas a fino trato.

E dancei, horas a fio... deixei-me levar.

A cada momento uma nova emoção, um novo sorrir.

Realidades senti, sabores degustei e como criança chorei.

O poeta recitava melodiosamente cada nota musical.

Eram mãos generosas e um sorriso gentil.

De Garbo e elegância me vesti

E aplaudi as valsas invisíveis,

que vivi.


de: Eduardo Trindade (http://www.edutrindade.com)
para: Mary Morena (http://versosdelirios.blogspot.com)

Meu (minha) amigo(a) secreto(a)...
Foi uma das primeiras cabeças com quem tive contato. E, tão simpática sempre, ela me cativou para valer. Conquistou-me para o blog (ainda que eu nem sempre tenha tido tempo para ser assíduo como gostaria). O mais legal foi que ela, justamente ela, eu tive o prazer de substituir durante o mês de novembro. E pude sentir de perto o quanto é querida, não só por mim, por todos. Fica, Marina, com minha amizade e meu carinho, e eu fico com teus deliciosos delírios em forma de versos. Feliz Natal!

EMBALOS

Soltar as amarras,

partir, velejar,

descobrir outros mundos,

desbravar outros mares,

amar o mar...

Quantos horizontes

ainda por trilhar,

quantos sonhos

esperando a gente

na esquina do vento.

E no fim, sempre,

voltar

ao mar, ao mundo, a casa,

atracar nos braços

de quem tem no nome

um oceano,

Marina.


de: Mary Morena (http://versosdelirios.blogspot.com)
para: André Lasak (http://quimeraufana.blogspot.com)

Meu amigo poético tem um blog muito bacana, o Quimera Ufana! E como ele gosta muito de inícios (e eu também adoro lê-los!), foi pensando nisso que saiu o presente. Para meu amigo, André Lasak. Espero que goste! ;-)

cíclico

o poeta inicia

a palavra

com sua verdade

traça linhas

rima ante rima

o poeta constrói

teias

e descansa

com seus oito sentidos

à espera da próxima presa

de uma nova palavra

para um novo início

a poesia

este vício


de: André Lasak (http://quimeraufana.blogspot.com)
para: Moacir Caetano (http://moacircaetano.zip.net)

O Velho Tempo

Mais que eu tentasse
Ouvir o Tempo
Ainda escutava o silêncio...
Conheci um velho que me
Incentivou nesta empreitada
Rezando seu velho terço de ébano

Cada conta que rezava
Acabava num tique ou num taque
E eu ali, esperando e esperando...
Tentando por tanto tempo
Alcançar minha glória
Na velhice, apenas, entendi que
O tempo não se ouve: se vive intensamente



Amanhã chegam os últimos presentes!
Desde já agradeço a todos que participaram
dessa segunda edição do Amigo Poético! :-)

p.s.: resultado do sorteio: http://www.twitpic.com/wlnjs
(mais detalhes nos recados do amigo secreto)

8 comentários:

Alexandre Beanes disse...

estava longe dos computadores nesses primeiros dias de dois mil e dez, por isso a demora em agradecer a lindeza que a Mariana escolheu para mim. O ano acabou de começar em completa e absoluta sintonia de felicidade.
saudade momentânea (já que manteremos contatos) desde já desses amigos poéticos.

beijo em todos por aqui.

Mary disse...

Edu!!! Fiquei esperando o "post oficial" para comentar o quanto adorei seu presente! Muito obrigada pelos versos carinhosos. Amei! Você é um querido! :)

E espero que o André goste das minhas singelas linhas... =~

J.F. de Souza disse...

As valsas "vivisíveis" de Alhi para Edu Trindade... Os embalos-balanços-de-mar pra menina Marina... E os inícios e reinícios em poesia de Ma pro Lasak... Todos perfeitos! =)

Mas... O presente do caro Lasake pro Moacir... FICOU FOI FUEDA!!! +D

CARVÁLEO!!!

Eduardo Trindade disse...

Que delícia poder valsar assim! Dança em forma de versos, quem poderia querer mais? Adorei o presente, muitíssimo obrigado, guria! Aliás, estou adorando os presentes, vocês são ótimos!

.Marrí Franco. disse...

suavemente profundos...

moacircaetano disse...

Finalmente, meu presente!
E não poderia ser melhor, vou ter que ler e reler por várias vezes pra desvendas as camadas e texturas... Muito obrigado, Lasak!

Renata de Aragão Lopes disse...

Que belos presentes!

E André Lasak,
como eu,
também falou em contas...

Um grande prazer
haver participado
deste encontro!

André Lasak disse...

ADOREI meu presente, Mary! :D Nada melhor que o vício pela letra, não?

Que bom que curtiu, Moacir! Espero que você já tenha desvendado a surpresa menos sutil, hehehe.

Até o ano que vem com mais um amigo poético!

Beijão pras moçoilas!
Abração pros barbados!