sábado, março 17, 2007

DA DINÂMICA DOS CORPOS QUANDO CAEM

Um corpo não cai por acaso!

Um corpo cai por bala
por faca, por explosão
às vezes é por uma pedra
que um corpo cai ao chão

Às vezes epilepsia
um início de derrame
às vezes por uma vingança
por uma mentira infame
um corpo cai quando a vida
se lhe rompe o liame

Um corpo não cai por acaso
algum motivo haverá
seja por febre, maleita
seja por tanto amar

Um corpo cai, e o barulho
é quase insuportável
barulho, seco, imundo
barulho de destino imutável
um corpo cai, e logo
a imprensa o sabe!

Um corpo cai, e que razão
seria suficiente?
que razão teria a morte
pra se instalar na gente?
como a vida que nos habita
súbito se volatiliza?
nos abandona de repente!

Um corpo caiu ao chão...
foi o meu!
ai, quem me dera
eu não ser eu!

7 comentários:

Saramar disse...

Moacir,
eu sou ignorante em teoria poética, mas esse esplendor me parece um cordel, coisa que adoro.
Aliás, você circula pelos salões da poesia como proprietário de todos os versos, aliás dos melhores versos.

Perfeito, como sempre!

beijos

marcelo disse...

Tá lá seu corpo pendendo ao chão... estendo um copo e o saúdo... um copo não, entendo ser pouco, se assim o faça... melhor a taça, uma taça fina feita por um normando enorme e já morto... saúde poeta, faça tombar um corpo a cada novo dia, seu, meu ou de seu deus... faça o novo se erguer... diga saúde e brinde a ele... brinque de novo, letras são crianças que andam aos bandos... não as abandone jamais...

Mário Margaride disse...

Quando um corpo cai...
A alma se levanta
A força emerge
A coragem, se agiganta

Abraço

Ruberto disse...

Moacir...
Simplesmente magico aqui, e seu texto sobre o corpo é maravilhoso..
Retrata nossa fragilidade contra as coisas do mundo...
Adorei...
Abraços

Leandro Jardim disse...

O sempre bom poetar de Moa!

Aline disse...

Fisicamente lindo.

Bjão.

Múcio Góes disse...

rapaz... esse teu POEMA tem algo que me lembrou Pessoa, tvz esse final... só sei é que ADOREI!

belo, Sir Moa!

[]´s