segunda-feira, agosto 06, 2007

Ecos

Pequena imensidão
Devasta
Meu limitado ser.

Vago em desespero
Por lugares
Desabitados.

Tentei reescrever
Todas as cartas
Em vão...

Desacordada me vi
Sangrando e
Em pedaços

Corrompi
Meus princípios e
Pudores.

Rompi os laços
Com a realidade
Com a verdade
E com a vida.

Espelhas a minha alma
Miro-me em teus passos
Em ti me desencontro
Todos os dias.

Morri e sei
Perfeitamente quando,
No dia em que
A ti conhecia
.
.
.
.
.
Saudações queridas ao nosso poeta Moacir Caetano!
Parabéns caríssimo!
Felicidade Sempre e muito Amor!

5 comentários:

Múcio L Góes disse...

é triste morrer na lembrança do outro.

belo, dorido.


bjo.

Leandro Jardim disse...

ah, a beleza cortante!

Jefferson de Souza disse...

EXCELENTE! LINDO! PRATICAMENTE PERFEITO!

Aline! Qrida! Vc ñ faz idéia do qto eu curti este escrito... =)


E --bem lembrado, Aline!-- parachoques pra nossa cabeça goiana, responsável direto pela inclusao desta que deixa este comment!
Eu poderia dizer que eu amo esse cara! Mas acho que posso ser mal-interpretado e...

1[]!

Mary disse...

às vezes morrer é necessário para que cheguem novos ventos...

lindaline... :)

Mary disse...

Ahh! E parabéns pro querido Moacir!

:D :*