sábado, agosto 04, 2007

Esquecimento

Algum dia alguém
em algum lugar
me esquecerá.

Algum dia alguém esquecerá meus poemas,
meu jeito bobo de ser, meus dilemas,
minha gargalhada estridente e aguda
e meus dias ocasionais
de canalha filhadaputa.

Um dia alguém ouvirá meu nome
e isso não lhe dirá
absolutamente nada.
Meu rosto, só um incômodo arranhão
em sua memória congelada.

E a partir dali, não mais existirei
como coisa física
e sumirei
como num passe de mágica
numa sequência lógica.
Até que, em algum dia,
outro alguém me esqueça.
E outro, e outro, e outro,
até que eu desapareça
como num passe de mágica...

e enfim descanse, poeira cósmica.

7 comentários:

Marcos Côrtes disse...

Algum dia, voltaremos ao pó... Mas do pó viemos...

A esperança é a sobremesa de uma refeição fria. E sempre é doce.

Compartilho da sua solidão, nesses dias de esquecimento generalizado Rs***

A czarina das quinquilharias disse...

mas até lá...
:)

Leandro Jardim disse...

há beleza no triste destino humano
como nos mostra moacir cantando

abs
Jardim

Múcio L Góes disse...

em se partindo, ficam de nós certas partes que nos farão eternos nas memórias alheias, ah ficam...

[]´s

Aline disse...

Ser memória é ser poeira eterna.

Amei!

Um beijo.

Juliana Pestana disse...

mas se a poeira cósmica ainda é um pouco de você, terão outros e outros... e a poesia nunca acabará.

e mesmo quando não existir nem mais um grão... a energia que um dia houve em ti nunca deixará de existir.

mary disse...

Poesia pura! E é estranho pensar nesse dia... Melhor esquecer que ele virá e aproveitar o dia de hoje... ;)

Lindo, Moacir!