quarta-feira, março 26, 2008

contramão

és todo instante
somos vez por outra
sou universo paralelo ao teu

(coexistimos)

em essências, dores e ardores
nossas lembranças
rotina que faz meu dia
se perder no teu
em frascos de saudade
em doses cavalares de solidão
sigo em rodovia nua
na contramão

5 comentários:

Anônimo disse...

Que lindo! Dolorido, mas lindo.
Marcia

moacircaetano disse...

A contramão...
lugar de desafio, de emoção...

Lindo!

Leandro Jardim disse...

poema intenso, belas imagens! :)

Múcio L Góes disse...

gostado, muito gostado!

aqui Alhi, um no outro, sendo.

bjo.

amo.

J.F. de Souza disse...

...e colidimos...