quinta-feira, março 06, 2008

trova dos nove

as naus singrando sem rumo
chegaram no Paraíso.
também sem norte, eu assumo:
quero avistar seu sorriso...


sim, palavras tem à beça
e cai sempre no embaraço
o ostentador que tropeça
na língua maior que o braço


poeta, médico e louco:
reza o ditado banal
que dos três temos um pouco;
discordo só do avental...


motocicleta zumbindo,
pernilongo acelerando:
é a noite se confundindo
no sono que vai chegando...




Bom apreciador que sou da poesia que mora nas coisas simples, de cara me vi no paraíso quando descobri que um bom amigo nosso, morador das cercanias, - nunca antes convidado na história desse blog – é trovador nato, e dos bons! Poeta de pena afiada, jovem Poeta, dono de um verso maduro, lírico, colírico! Ao entrar em O trovador dos arrabaldes é inevitável sair “im[p]une”, sem um sorrisinho quebra-lábios, ou uma boa reflexão. Octávio Roggiero, é ele, o cara que rouba sorrisos e suscita pensares aqui:
mui grato, hermano.

6 comentários:

Octavio Roggiero Neto disse...

Múcio, poeta do meu coração: inesquecível é ser lembrado por você!

Mary disse...

Maravilhoso! Não conhecia este blog do Octavio!

Beijos aos dois! :)

J.F. de Souza disse...

É, meus caros... Não sei como, até entonces, ninguém havia convidado este bom poeta... Já tive a honra de conhecê-lo, um pouco da pessoa, um tanto da poesia...

Poesia que parece brincadeira pra ele... Poesia que esse cara leva a sério, sim senhor...

O que ele escreve costuma ter uma leveza impressionante, ainda que se sinta, depois, a grande força presente nas palavras absorvidas...

Sem dúvida, é bom poder ler algo de Octavius Roggierus III por aqui... Saudade que eu tinha desse cara...

Abraços ao grande Mucius e, claro, ao grande Octavius!

Aline disse...

Caro Octávio,

Já aprecio os teus escritos de longe, tens um jeito único de escrever o qual me encanta.

:*

moacircaetano disse...

lírico, rítmico, belo...
como deve ser a boa poesia!

Leandro Jardim disse...

Grande Octavio! Não acredito que ele ainda não tinha sido convidado. Múcio veio corrigir um justiça secular nossa!

E com um poemaço! Seja sempre muito bem-vindo caro amigo!