sábado, maio 24, 2008

Em Obras

Desculpe-me o transtorno.
Estou sendo feito,
saindo do forno.

Estamos em reforma
para melhor atendê-los.
Vida desenrolando-se
em novelos.

Mais aguns instantes
e entraremos no ar.
Resta saber o que tocar.

Estamos em obra
por tempo indeterminado.
Sou meu próprio canteiro
de obras, interditado.

Desculpe-me a chateação.
Agora é a poeira,
mas é assim uma construção.

Vai valer o sacrifício.
Depois de tanto incômodo,
ficam os benefícios.

6 comentários:

Marcos Côrtes disse...

Só espero que vossa obra,
não espante os vizinhos com o barulho,
e nem deixe cair rebocos em suas cabeças ; )

J.F. de Souza disse...

É o Moacir a serviço de todos!
De todos os que prestigiam suas obras!

=)

Grazielle disse...

Nada se compara à sensação de ver a obra pronta e inaugurada!

Sabrina disse...

que a reforma seja tão boa quanto a prosa.
:)

Leandro Jardim disse...

Certamente... certeiro e bom, caro Moa!

Múcio L Góes disse...

toda obra tem seu custo, Moa!

volte logo!

[]´s