quinta-feira, maio 08, 2008

papel passado

houve um tempo
em que nossas lembranças
eram incríveis,
lembrávamos um do outro,
éramos infalíveis.

hoje a nossa memória
anda carente de indícios,
as cartas que um dia trocamos
não passam de vestígios
fenícios.

9 comentários:

Aline disse...

eita que esse me fez chorar...


beijo, amor.

Anônimo disse...

O lado bom dessas dores e desencontros, se é que posso falar assim, é essa produção escrita linda, sua e da Aline aqui abaixo.
Marcia

Cristina disse...

Emocionei-me, Múcio...

Beijos, poeta querido.

Cristina Loureiro dos Santos

moacircaetano disse...

Só o jogo de palavras já vale o dia!
E o poema, bem...
legítimo Múcio, safra das melhores!

Sabrina disse...

tristeza que bate de frente com a lindeza do poema!
beijos!

(l' excessive) disse...

É verdade, Sabrina!
Todos temos essas "lembranças" que as vezes voltam a nos atormentar ou então a nos fazer sorrir.
Mais uma grande do Múcio, O POETA!

alex pinheiro disse...

de vestígios,,, um papel sobre o passado, passado em branco para a perfeita legibilidade,,,

Abraços e reflexivas invenções!

Leandro Jardim disse...

mais um da constante safra do múcio que muito gosto!

Sandra Regina de Souza disse...

Fica dificil até encontrar adjetivos!!...rs... nem superlativos dariam conta de classificar sua genialidade, moço. (ai... que "inveja") beijocas