quarta-feira, maio 14, 2008

ode ao casamento II


seu gemido
(peculiar)
todas as manhãs
me desperta
mas é fome
e não tesão...

6 comentários:

Anônimo disse...

Puxa, que desanimador. Um tanto real mas...desanimador.
Marcia

J.F. de Souza disse...

UAAAAAAAAAAAU!!!

Esse é excelente!!!

Leandro Jardim disse...

HAHAHAHA!

Múcio L Góes disse...

já disse, ne? que amo vc assim, com a lingua afiada!

rsrss

bjo.

L

moacircaetano disse...

rs...
ainda se fosse fome de gente!

Marcos Côrtes disse...

Quem casa, quer casa...

Casamos com nosso corpo e alma... Temos neles nossos limites.
Amarras que nos prendem no chão.

Mas o pecado da gula é irresistível.
O banquete dos seres humanos
é o que sacia desejos:
pulsões desumanas.

Casamos com a alma aleia,
Luxúria as vezes nos faz existir
nos limites de outro.

Quem casa, é a casa...

; )