sexta-feira, junho 06, 2008

semente

sou fruto de sentimento
que não larga o coração
não se traduz com perfeição
palavra nova
e velhos rabiscos
indizível que é

um misto de pensamentos
transgênicos
plantados no campo das idéias
se alimentam do mesmo adubo
dos sonhos
impossíveis que são

a seiva tinta da caneta
é extraída sem dó
para fecundar
dar vida
à minha vida

sou semente querendo germinar
nas mentes
e nos corações mais férteis

sou folhas brancas
caídas pelo chão
tentando criar raízes
para brotar poesia

(Ma + Jé)

4 comentários:

moacircaetano disse...

E não é que nasceu, a tal da poesia?

Aline disse...

e a poesia nasce, renasce e perpetua-se!

beijos, queridos.

Múcio L Góes disse...

nasce pra nos fazer renascer!

belo.

bjss

Leandro Jardim disse...

comunguemos juntos da boa pesia! :)