sábado, junho 21, 2008

verso

vivo em noites dias
enluarando sóis, coração fugaz

vivo em dúvidas, vias...
de visita a mim mesmo, inconstante demais

tenho um vôo raso
sem norte, sem bússola
ao tempo e ao léu, sigo sem morada

tenho um tempo claro
que de pronto, num estalo
se transforma em madrugada

sofro, logo existo
sinto e o pecado é vão
perco-me, acho-me, desconexa canção

sofro, improviso uma linha
minto de mentirinha
volto e estendo a mão

e a cada dia novo eu me nasce do senão.

(alhi & moacir)

3 comentários:

Leandro Jardim disse...

gostei... esse último verso tem uma estranheza que me arrebatou, muito bom!

abs
Jardim

Bill Stein Husenbar disse...

Gostei muito.

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/

Mary disse...

amo vcs dois! :*