domingo, agosto 09, 2009

Arqueólogo

O que passou
não pode ser
esquecido

Tantos momentos
há debaixo
dos escombros
da nossa
memória

Vim para desenterrar
o que o Tempo tentou apagar

13 comentários:

Mulher na Janela disse...

todo poeta tem um pouco de arqueólogo.... as memórias nos chegam líricas...mesmo as enterradas nas trilhas das desilusões...

lindo poema!

beijos...

Múcio L Góes disse...

caralho!!

vc há de concordar cmg, jeff.. este é um dos teus melhores!

metáfora muy bien trabalhada, cara!

parabéns!

=]

Talita Prates disse...

Abordagem interessante para o tema..
Bjo e paz.

moacircaetano disse...

Escavações sempre provocam poeira... e há ainda o risco de queda!


:(

The human who sold the world disse...

Ahh memórias são cruéis.

A czarina das quinquilharias disse...

sempre com cuidado, pra não quebrar....
:*

Sandra Regina de Souza disse...

Meu garoto! Nesse vc arrasou!! Estou passada! beijo

J.F. de Souza disse...

Sinceramente... Acho que dava pra fzr melhor... =P

Mas valeu, gente! =)

Andrew disse...

Cara, um dos melhores seus!!! =)

Rafael Freitas disse...

Ah, o cara ainda é modesto.
rs

J.F. de Souza disse...

Modesto nada! Estou me propondo a fzr melhor! =P

Rayanne disse...

É! Eu disse, eu disse! Fenomenal, moço. **Estrelas**

J.R. Lima disse...

Rapaz!!

Muito bom, este!

Concordo com o primo Múcio, é dos teus melhores.

abração!