sábado, agosto 29, 2009

Rastro

Ele esqueceu.
Ela não.
E ambos tinham razão.

Ela se foi.
Ele ficou.
E ali morreu o amor.

Ele se lembra.
De vez em quando.
Sempre que está se apaixonando.

Ela chora.
Todo santo dia.
Dói tanta nostalgia.

5 comentários:

Bárbara disse...

Que lindo!
Me fez lembrar uma amiga,
que terminou com o namorado
recentemente...
Adoro as poesias desse blog!
Beeijo,
=)

Sandra Regina de Souza disse...

Sempre dói! mas um dia passa...rs.. bj

Eduardo Trindade disse...

E assim, nas calhas de roda,
gira, a entreter a razão,
este comboio de corda
que se chama o coração.


Lembrei do Pessoa, como se os teus versos completassem os dele, ou vice-versa. Enfim: belo poema, quente como o amor, que, mesmo morrendo, vive sempre.
Abraços!

Múcio L Góes disse...

foda.

sempre fica algo qd alguem se vai, esvai, ex vai... ah fica!

=]

Priscila disse...

Nossa, amei! Simples, mas com toda a tristeza que marca um término.
abraços!