segunda-feira, janeiro 22, 2007

.

Abriram a porta
E encontraram no canto
Trapos farrapos
Em desalinho
E um manual ao lado.

Disseram também
Que nada entendiam
Ao ler
E penalizados ficaram.

Desistiram
E poucos relutaram.
E de lá partiram
Entristecidos.

Numa estrofe
inteira e sozinha
a rima se desfaz.
Os versos fogem
E a poesia
Incompleta fica.

8 comentários:

Juliana Marchioretto disse...

bonito..

beijo!

Poeta Matemático disse...

Sim, gostei muito...

Tu misturou elementos novos. Nem parece uma das suas poesias...

Show de bola...

(Ah, nem me lembre de futebol, juiz filho da puta...)

preta disse...

e, mesmo incompleta, bonita...
:*

Juliana Pestana disse...

Mas a poesia se completa sempre
completa e linda
viaja com as palavras
e irradia!!!

Versos lindos, minha querida.

Bjos meus.
Sorrisos em volta.

Leandro Jardim disse...

de surpresa ela fez da dor bandeira
insinou em sopro a razão pessoal
mas o manual não lhe escrevia inteira

aquele que a via
havia de se confundir
em tão viva poesia

como tocá-la sem música?
uns estenderam as mãos
outros palavras-compreensão

eis que ela, poesia, bela
descobriu novos versos
e nos cobriu c'alma
cantando esse universo


beiJardins

mary disse...

E é bela assim... incompleta. :)

;***

o esquecido disse...

fechada a porta, nada mais importa, tudo se complema rima a fora.

Um poema de cansaço, belo.

bjsss

Rayanne disse...

Aí veio a Alhi,
com jeito doce,
acarinhou os versos,
ouviu as rimas,
e sem manual,
Montou a poesia que dita!

***Estrelas, doce***