quarta-feira, fevereiro 21, 2007

até que não seria
de todo mal
se o dia acordasse
e o céu me mostrasse
que as nuvens são de açúcar
e os pássaros, de estimação.
não seria de todo mal
se esse clima mudasse
ou a chuva só molhasse
o meu pensamento,
ressecado e sem expressão.
não seria de todo mal
se o alívio chegasse
e morada fizesse
dentro do meu coração.

14 comentários:

o_planeta disse...

Há dias, que a massa cinzenta realmente resseca. Um desejo de ser.


Interessante e bem formado. Gostei : )

Ass. Marcos Côrtes

ana. disse...

Legal, um poema simples e xeio de ternura.
Beijos Poéticos.
;**

Juliana Marchioretto disse...

gracinha, Nanna!!

beijinho

Jefferson de Souza disse...

"Que a chuva caia como uma luva, um dilúvio, um delírio..."

Nada mal, Nanna! Aliás... Excelente, linda! =)

Espero, de verdade, um dia desses, ver nuvens de açúcar no céu... Um dia só...

Múcio Góes disse...

ô, cherrie, brigado, viu? ;) fica bem!

me too!

bjssss!

Juliana Pestana disse...

não seria de todo mal um beijo e um belo abraço nessa fraca tarde de pós carnaval...

seus versos cairam como luva!

bjos meus.

Mário Margaride disse...

Não seria não...pelo contrário.

Bj

da gaveta disse...

não seria nada mal...
mas o mundo não é assim.
:(

fabio jardim disse...

entendo que na possibilidade de se colocar em versos o que vc apresentou, já habita um alívio. seu e nosso.

moacircaetano disse...

Nada nesse mundo é de todo mau, embora a gente quase sempre veja o pior em quase tudo...

Césped Vesper disse...

primeira vez minha por aqui, e já me apaixonei!

Sandra Regina de Souza disse...

que delícia de poema... belo, belo, moça!! beijossss

Leandro Jardim disse...

doce apesar de triste
ou, em outras palavras,
tocante e belo!

beiJardins

Aline disse...

Lindas, tristes e apaixonantes palavras.

:*