terça-feira, fevereiro 27, 2007

transpoema

vai que de repente,
numa esquina virada,
um pouco desse quase tudo,
faz mais desse quase nada.
vai que de repente,
um avião de papel
leve-me livre daqui,
um arco-íris de aço,
o passo de um gigante,
um super-herói de mim
voando sobre a Babel,
Dom Quixote tupiniquim.
Ah, como ia ser legal...
tudo mais perto da gente:
puxa esse mar mais pra cá!
baixa esse sol mais um pouco,
e deixa rolar qualquer melodia!
veja só, que coisa de louco,
o mundo parado no ar,
e a gente fazendo poesia.
ainda vai chegar o dia,
em que tudo vai ser assim,
do jeito que eu quiser:
eu em você, você em mim,
prontos pro que der e vier.

12 comentários:

Juliana Marchioretto disse...

juntos pro que der e vier!
dá-lhe poeta arretadoo!!

beijoo

Césped Vesper disse...

Melodia e letra.
Quase uma música!

czá disse...

me empresta um pouco de perfeição, empresta?

Sandra Regina de Souza disse...

Vai que por acaso
eu me encaixo no teu abraço
e deixo o poema pequeno
pra tanto desejo!
(faltou batimento pra minha pulsação!!)
Te beijo

Mauricio disse...

Muuuuuito legal, Múcio.

Prazer em ler.

Isabella disse...

Que meigo
:D

Jefferson de Souza disse...

P*** Q** P****!!! ESSE AQUI TÁ F***!!! F***, MR MÚCIO!!!

Mary disse...

Hahahaha,

O comentário do Fejones expressa bem o que senti tb!

Mumu Mumu... vc é tudo de bom! :)

:***

moacircaetano disse...

Grande Múcio!
Cinematográfico esse!

Cristina Loureiro dos Santos disse...

Eu queria um lugar nesse avião...

Consegues sempre adivinhar...

Lindo demais, Múcio!

Beijos :)

Marcos Côrtes disse...

Lugar Parságada que todos buscamos. O seu, além de belo, é belo (en)cantado. Ótimo : )

Leandro Jardim disse...

Muitíssimo bom!!!