quarta-feira, janeiro 30, 2008

estranhas entranhas

Há dias em que minhas palavras
Simplesmente desafiam-me.
Em outros apenas
Acompanham-me.

Em outros dias apenas
Azucrinam e balbuciam
Significados dispersos
Em caminhos diversos.

Alimento-me de metáforas
Soltas no eco do verso
Fincadas em absolutas
Mentiras poéticas.

E ao nada chego,
Em tudo disperso
E em círculos
Permaneço.

Desafiadas e desafinadas
São as palavras que
Brotam
Ultimamente...


Entranhadas em mim
Estranhamente.

5 comentários:

Ramon Alcântara disse...

Diagnóstico: Palavricite crônica.


Remédio: Trance



abzzz

♀.mary ienke.♀ disse...

Lindo xD

Isadora disse...

Este é meu exato Ultimamente.

Gosto demais deste blog, estão de parabéns! ô bela escrita dos diabos!

Andressa disse...

Gostei do som: "Entranhas estranhas"
O poema é lindo, parabéns!

bjss

BêbÉT/Ocica's disse...

muyyyyy belooo!
classico!
suave...
na pele.