quinta-feira, janeiro 03, 2008

um trago

trago minas
nas minhas retinas,
na seda da pele,
e das cortinas,

trago minas
nas flores,
nas tardes,
e no orvalho
das matinas,

trago minas
no cigarro
dessa solidão,

um trago,
e tenho minas,

arco-íris
no horizonte
da palma

da minha mão.

5 comentários:

Leandro Jardim disse...

belezura a ser tomada de um gole, mesmo! ótimo!

abraço
Jardinesco

Priscila Lopes disse...

Li num trago!

Muito bom, o blog todo!


Feliz Ano Novo!

do Cinco Espinhos.

(l' excessive) disse...

Genial, como sempre!
Beleza pura!
E dá-lhe poesia boa em 2008
Beijão pra você

Alex Pinheiro disse...

das Minas,,, poesia fresca que toca o rosto revelando a retina...
Do que Múcio sabe fazer né, irmão?!

Bom te ler sempre!

Abraços e nicotinadas invenções!

moacircaetano disse...

minas que mora em mim, e onde ainda não pisei...