terça-feira, janeiro 01, 2008

RETRATO

O irrigado das horas
nem sempre me brota poemas;
nem o contemplado do tempo
enxerga-me sempre de histórias.

No abstrato momento, o olho
só é desejo por dentro,
e queda asséptico à volta:

a mudez do cenário retrato.

4 comentários:

moacircaetano disse...

E eu, que tão mudo ando, sei bem tua ausência...

Alex Pinheiro disse...

Um silêncio que produz essa música tem tudo do mais belo... um verso último digno de toda uma poesia...

Abraços e melódicas invenções!

Paula disse...

Nossa, até quando a criatividade falta vc consegue fazer poesia.

Seu talento as vezez me impressiona!!!!!!

parabéns!

Múcio L Góes disse...

tem vez que a mudez tem vez.

[]´s