terça-feira, abril 01, 2008

Moderno moderno

O poeta moderno,
moderno literalmente,
faz do bloco de notas
do celular seu caderno.

9 comentários:

Marcos Côrtes disse...

Curiosidade:
É considerada má prática dos programadores desenvolver seus algoritmos (código) diretamente em um editor de texto.

Quando começamos nosso curso, sugere-se fazer tudo no papel e só depois jogar para o computador.

Inclusive, o que vale é o significado do código em si, não se ele está seguindo os detalhes da linguagem de programação.

Eu sou tecnolatra, mas creio que tal conceito é aplicado a textos literários. Se não nos libertarmos dessa maluquice do mundo e nos reduzirmos a papel, lápis e imaginação, muita coisa se perde ou nem ao menos vem.

moacircaetano disse...

hehe...
ainda não cheguei lá, quem sabe um dia...

barb michelen disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
A czarina das quinquilharias disse...

o importante é escrever né
:P

Múcio L Góes disse...

eu, por limitações fisicas, dependo do meu celular, qd um poema me pega de surpresa na rua, por ex, e do computador no dia-a-dia.

agora, qd é noite de insônia, nao raro, memorizo trechos até a manha seguinte, qd transfiro por word.

adoraria poder viver de caneta e papel, enfim...

Jardan, minha cara teu ótimo poema!

abraço!

Aline disse...

rápido e leve
como o bom e velho notepad :D

inteligente, garden!

beijo!

Paula Jardim disse...

PERFEITO!!!!
GÊNIO!!!!!!!

Simples e completo.

Adorei!!!

bjs

Jake Mello disse...

poema gatilho..rs

rápido e certeiro..
beijo

Mary disse...

Eu gosto é do papel :P

Perfeito, Jardim!

bjuss