terça-feira, dezembro 30, 2008

mais presentes...

De: Henrique Sá (http://sentidoabsurdo.blogspot.com)
Para: Keila Sgobi (http://sobrecaminhosepedras.blogspot.com)


Bloguezia

Menina Maluca
Que no blog pode
De saia e peruca
Cavalgar num bode
Rebate sentidos
Com sua raquete
Borrando escritos
No céu da internet
Pocote Pocote
Encima de cores
Revela o decote
Pipocando amores
Mas toda a vontade
De exposição
Explode a verdade
Do seu coração


De: Keila Sgobi (http://sobrecaminhosepedras.blogspot.com)
Para: Remo Saraiva (www.remosaraiva.blogspot.com)

Remo é o rimador
não é remo de remar
nem remada de remador
não é na rima que vou contar
a história deste cantor

que história, que nada!
nem canta este doutor!
nem medica,diagnostica
ou examina donde vem a dor

o rumo deste Remo
é contar histórias com louvor
conta-minha, conta-sua
delata tudo! sem pudor!

mas, se acalme! nada tema!
só tem tema seu poema!
tem muitos nomes, muitas cores
mas não identifica seus atores

como remo que não rema
é poeta cantador
que nem sempre traz a rima,
mas é exímio rimador!


De: Remo Saraiva (www.remosaraiva.blogspot.com)
Para: Alê Quites (http://namastealequites.blogspot.com)


Visitando o blog da Alê reparei – bem, pelo menos na home – uma constante aparição de imagens de pés, calçados,... Como não a conheço a fundo para escrever sobre a própria, resolvi escrever sobre o que, à primeira vista, parece-me uma fixação sua.

Enfim, espero que ela goste. E Namastê!

REMO.

Pés
a Alê Quites

Pés que maceram o solo
Pés que acarinham o chão
Pés que se enraízam na terra
Pés que das pernas são mãos
Pés que beijam merda, avoados
Pés que esmagam os grãos
Pés que na rede tem colo
Pés que delimitam lúdicos traçados
Pés que pisam as bagas de uvas
Pés que mimam mínimas poeiras
Pés que esfregam o gramado
Pés que disfarçam o luto da viúva
Pés que padecem tanto na areia
Pés que acertam, rápido, os dentes
Pés que se esquivam com tal receio
Pés que miram, cegos, o mindinho alheio
Pés que caminham, silentes e silentes
Pés que sapateiam “o peito do pé do Pedro é preto”
Pés que beliscam calcanhares qual um escaravelho
Pés que tremem pelas pernas que tremem de espasmos
Pés que admiram, imóveis, na cadeira rodante, o espaço
Pés que se deitam em respeito ao dono de pé
Pés que se levantam quando o dono deitado quer
Pés que assim, em pé, permanecem estáticos
Pés que contemplam o dono nunca mais empinado
Pés que testemunham, do alto, o corpo morrer, decomposto

E os sapatos, tênis, chinelos, todos calçados que sobram
Choram hiatos de carne perfumados de chulé e Tenys Pé Baruel

9 comentários:

Keila Sgobi disse...

Ah! Que lindo meu presente!!!!
A-DO-REI!!!!
Muito sensível!!!!

Bjs!!!



Bjs pro meu amiguinho Remo tb!!!!!

Remo Saraiva disse...

Adorei ser tirado pela minha amiga de verso Keila!!! E agora dando as caras de trovadora, sim senhor!!!

Espero que minha amiga goste do meu!


Abs,
REMO.

Keila Sgobi disse...

Foi o sangue nordestino que se ativou!!!!

hahaha

bjs

J.F. de Souza disse...

Meo...

Meo...

Meo...

Eu não sei o que dizer!!! Os 3 estão ESPETACULARES!!!

Meo...

Meo...

Meo...

Mas esse do Remo pra Alê Namastê matô a pau!!!

Cosmunicando disse...

caracoles, hoje tá criativo demais!!!

moacircaetano disse...

Uau!

Remo Saraiva disse...

Obrigado, Jeff!!

A casa agradece a preferência!! rsrs


Abs,
REMO.

Mary disse...

Esse do Remo está mesmo sensacional!

Todos lindos! :)

Alê Quites disse...

Remo, meu caro!
Adorei o meu presente.
Beijos