terça-feira, março 03, 2009

Mudez

Já não me vejo
Nas estrofes da tua prosa
Teu silêncio precoce
emudeceu minha poesia
...já não ponho meus delírios
no interior dos teus versos
Deixei de rascunhar meu prazer
na tua pele:
- tela surreal!

(Releio em poemas furtivos
os desejos que rimavam contigo...)

4 comentários:

J.F. de Souza disse...

Hoje,
falo sozinho!
(O que a falta de diálogo faz...)

Nadja disse...

Que coisa perfeita!

Lindo!lindo!



bjoss


:)

moacircaetano disse...

Mas frases e versos e verbos e amores não morrem...
Sucumbem, dia a dia, à feiúra do dia-a-dia.
Mas geralmente o passar do tempo faz-nos esquecer o ruim e encantarmo-nos novamente com o que foi bom.
Amor nunca morre, se recolhe!

Mary disse...

que lindo o poema e também o comentário do moa! adorei! :)

beijoss