segunda-feira, março 30, 2009

Você não se cansa desse blues?
De discorrer sobre as boates
e sobre o uísque que você não toma
o vinho que você não entorna
e as janelas pelas quais você não olha
olha,
você não precisa ser outro poeta de sarjeta
o apocalipse já tem
mais de cem trombetas
e além do mais,
rapaz,
te faria mal
ser um tiquinho
mais banal?
Um poeminha torto
sobre um tratamento de canal
ou um verso ou dois
talvez outros, depois
que cantem um carnaval
um assunto mais feijão-com-arroz,
se você não deixá-lo sem sal
não fica nada mal.

9 comentários:

.jota disse...

com a dose certa de poesia, nada é muito banal mesmo. genial como sempre.

Leandro Jardim disse...

mui tobom!

C. disse...

deu pra adivinhar q era dela antes de ver o rodapé ^^
=*

Nadja disse...

Vocês são profissionais!


rs


de verdade,vocês são sim!




bjossss

Mariah disse...

afinal nem tudo na vida...graças a deus...tem que ser, tão sério, nem dolorido, quanto um tratamento de canal!

banal...só pra variar!

Múcio L Góes disse...

mudar pra ser o mesmo...

=]

xero, preta!

galego. \o

J.F. de Souza disse...

Eu sei que irei reler este poema mais algumas vezes ainda. E ficarei admirado a cada vez.

Sandra Regina de Souza disse...

Grande receita, Czá! Sempre no tom... bj

milene portela disse...

o segredo é o tempero! ;)