quarta-feira, agosto 23, 2006

Avesso

Me vira do avesso com seu cheiro de cor
Emaranhando meus pensamentos de amor
Obedecendo os sentidos, senhor.

Me faz ouvir a sua prece crua
Estremecendo minha carne nua
Oferecendo os desejos, tua.

Me abraça com jeito de céu
Escusando meu lento véu
Ofegando os sorrisos, lua-de-mel.

13 comentários:

Jefferson de Souza disse...

UAU!!!

PERFEITO!!! MAIS-QUE-PERFEITO, até!!!

Delícia de escrito!!! Curti muito!!!

PERFEITO, Nanna qrida!!!

Bjo!!!

Aline disse...

Amei!

Lindo...

:***

Múcio Góes disse...

sempre há verso no avesso.

belo.

bjo.

Maia disse...

Vim, de caneca na mão, enche-la com meu quinhão de poesia. Agora, satisfeita, parto e deixo aqui meus abraços. Até.

Selph disse...

toda mulher saber...

...só resta a nós descobrir.

-drika. disse...

simplesmente sensual.
Incrivelmente real.
Sinto um sabor de "sexy appeal",hehehe.

*=

Mendoscopia disse...

Lindo! Bem entregue...

Bjo,

Mendoscopia disse...

PS: adorei isso aqui!! Falei de vcs no meu blog! :-)

Janelas da Alma disse...

Olá Nanna,

Obrigado pela tua simpática visita às minhas janelas.
Vim até aqui pelo teu outro blog. Gostei imenso deste espaço colectivo, e vou colocar um Link para cá vir visitar mais vezes.
A tua poesia tem um sabor muito original!
Um beijo,

Nuno Osvaldo

remosaraiva disse...

Que ar é esse que você vem respirado no Canadá? Manda um pouco engarrafado pra mim! (hahaha)


Beijos, parceira!!

REMO.

Mary disse...

Lindo, Nanna!

Versos poéticos...

;**

Leandro Jardim disse...

Santa poesia!

Rayanne disse...

Nanna, pura paixão em dia de vento. Linda.
**Estrelas**