segunda-feira, outubro 02, 2006

Confundir

Fugir do inevitável
Assinando a falência
Múltipla de todos
Os sentidos.

Fugir porque ainda
É tempo
Ainda há um lamento
E a dor é finda.

Fugir prum não solene
E um futuro certo e
Repleto de todas
As incertezas possíveis.

Palavras dispersam
Rimas inversas
Sentimento pulsante
Um confundir constante.

10 comentários:

Maia disse...

A dor é mesmo finda ou só nos poemas onde cabem uma rima? Espero que nesta vida real tb. Até.

Bill disse...

Confundir e seguir... Sempre em frente, a procura de novas palavras e nos perder em rimas...

:****

Leandro Jardim disse...

findar com
tempo
fundir com
estâncias
inconstâncias
a confundir
lamentos

;)
bjs bjs

Múcio Góes disse...

fugir de si,
pular do barco,
prum outro eu.


beijo.

Jefferson de Souza disse...

A dor é sempre finda
Nós e nossa mania
de cutucar feridas
é que a nos trazem de volta...

juliana pestana disse...

sentimentos tão marcantes, a poesia só podia ser pulsante...

Poeta Matemático disse...

Fugir...

Fugir

Nanna disse...

Há maior confusão do que a fuga??

Beijinhos, dear...
:)

Mary disse...

Lindo, Aline!

Melancólico fundir de poesia...

Bjus.

moacircaetano disse...

...fugir sempre, nem que seja pra dentro de nós mesmos...