sábado, novembro 18, 2006

SALADA

mesa posta
lençol
dedos bocas
sal
e sol
(des) tempero
suor saliva
verde cheiro
gozo, azeite
oliva
até que a noite chegasse pela primeira vez
com seu gosto de mel
e sua suave acidez

8 comentários:

sandra disse...

ai que fome!!!!!!... belíssimo poema, moacir... sua "salada" pode ser servida antes do meu "prato feito"..rrsrsr... cardápio perfeito!! beijos de sobremesa

-drika. disse...

muito bom!!
Dá pra sentir td o q vc tentou colocar e um pouco mais...!!!
Perfeito ;)

Nanna disse...

Os sabores dão água-na-boca!

Beijinhos, dear...
:)

Leandro Jardim disse...

Belo, meu caro,

Um romance gastronômico! Hehehe..

abração Jardineirito

Aline disse...

sabores,
cheiros,
sentidos e
lembranças.


Lindo lindo...

:***

Rayanne disse...

Das delícias que provam (o) ser.

**Estrelas**

Jefferson de Souza disse...

Poesia que abre o apetite dos povos! =)

1[]!

Múcio Góes disse...

poema comestível, em todos os sentidos.

[]´s