domingo, maio 06, 2007

Na estrada, no caminho

Na estrada, no caminho
sou pa
*******ssa
*****ri
*******nho
sem asas
(...)
anseio estar pronto pra voejar
sou despojado de tempero alado
da anarquia, do fado
do desterro atrelado
liberto-me em meu instante pensar
volito em sinfonia de canto
sem odes ao vôo infinito
(quisera ser destemido)
e num salto, faísca de momento
apanhar borla em pé de vento
- nem que fosse derradeiro intento!
esvoaçar entre nuvens em adejo solto
degustando
o sabor do vento e
o arroubo
da tão almejada
LiBeRdAdE

Caroline Schneider

^^^

Essa moça é isso exato, poesia boa, instigante, com um algo de novo que seduz a leitura no ato. Gaúcha de Curitiba é poeta das boas e tradutora e revisora e "otras cositas más" e, e, e. Tive o prazer de conhecê-la recentemente em São Paulo e depois vim a ter com sua poética lá no Manufatura, delícia pura. Sem mais delongas, aproveitem:

http://recantodasletras.uol.com.br/autores/carolinecwb
http://monopolio.blogspot.com
http://www.manufatura.blogspot.com/

6 comentários:

Mary disse...

Que delícia de escrito! Sensação boa de liberdade! :)

Adorei.
Parabéns aos dois.

;**

Múcio Góes disse...

e qts belos passarinhos passarão, como estes, com gosto de liberdade à tardinha..

parabéns pelo convite!

[]´s

Aline disse...

Poema livre!
Braços abertos para saudar a participação de Carol.

Bjo para os dois!

*Caroline Schneider* disse...

Agradeço o convite e o carinho. Beijocas estaladas*

moacircaetano disse...

coincidentemente estive por esses dias remexendo nos escritos dela! adorei!

Augusto Sapienza disse...

Te vendo por aqui também? Que bom! Esse texto, que também está no manufatura, é muito bom!

Beijos