terça-feira, maio 01, 2007

No amor e na guerra

Tinha se armado até os dentes
trincheiras, granadas, pés-de-coelho
espiões, capacetes, manual de Sun Tzu
carapaças, crocodilos em volta de si.
Querer ao outro é perigoso.
O amor porém, nasceu do descuido
da baixa guarda de um dia de sol.
Andava só e igual pela rua
chapéu laranja, meias multicores
num zastrás, um passo infalso
cadafalso! Vem abaixo o seu forte,
muralhas, pontes, exércitos de “se”,
pés-de-coelho dão no pé,
crocodilos vão para a coleira.
Amor.
Prisioneira vencida,
Aprisionadamente livre
Descobre-se até então
lutando do lado oposto: contra si.
Bandeira branca. Rende-se.

Luzzsh

7 comentários:

Clóvis disse...

Interessantíssima a ótica deste poema.
Poesia boa de ler é assim, deixa a gente sem querer dizer, para poder sentir, e só sentir...


O amor e os seus desvarios, rendendo-nos de padrões e percalços, orientando-nos num prumo só seu, alimentando a poesia nossa de cada dia.
Amém. rs


Muito bom, poeta.

Leandro Jardim disse...

Beluzzsh!

beiJardins

paulo vigu disse...

Rendeu-se ao amor assim e disso tudo fez renda. Riodaqui.PauloVigu

Múcio Góes disse...

o melhor poema sobre resistência que já li, Lu... e o que amar senao resistir, amando em guerrilha... sigamos.

bjss!

223

Mary disse...

Lindo!

Muito difícil não se desarmar ao amor! ;)

Bjusss

Aline disse...

No amor e na guerra.

Vc sempre com excelência ao escrever.

bjo!

Anônimo disse...

Hi, as you can see this is my first post here.
In first steps it is really good if somebody supports you, so hope to meet friendly and helpful people here. Let me know if I can help you.
Thanks in advance and good luck! :)