segunda-feira, julho 30, 2007

jornada

Caminho sozinha
Minhas mãos esfriam
Sinto o vento no rosto
E a aspereza do chão...
Avisto ao longe
(o que penso ser miragem)
Penso em querer acreditar
E sigo acreditando.
Aos poucos e lentamente
Tento pensar
Dramatizo o que seria um encontro
Perco-me em falas e gestos...
Levo as mãos ao rosto
Elas permanecem frias.
Agora vejo crianças
Elas acenam que não
Então paro
E acordo...
Suores gelados e mãos aquecidas.

4 comentários:

Leandro Jardim disse...

suores gelados
também salgam o rosto
mãos esquecidas
também aquecem
e o tempo serve
de tempero ao gosto

hehe, belo
BJardins

Briza disse...

te achei.
=D

moacircaetano disse...

jornadas são feitas de passos e aproximações...

Mary disse...

Gostei muito do comentário do Jardim!


Siga acreditando... e não só as mãos continuarão aquecidas!


:)